Skip navigation

Monthly Archives: Novembro 2010

  Meu amor é impulssivo. Eu não sei amar. Por mais que eu ame. Eu preciso da voz alta, gritos, lágrimas, raiva e de reconciliação beijos suplicantes. Mas tu que não faz meu tipo de amor consegue cala-lo. Tu o domou. Ele fica reprimido, lutando para sair em minhas palavras sujas, mas teu olhar não o deixa escapar. E quando escapa tu continua com teu olhar calmo, como se nada tivesse acontecido, me beija do jeito mais doce, como se nada o afetasse e até parece que sabe que assim minha raiva se multiplica, tu não sabe. Isso não me enfraquece, me fortalece, estou aprendendo.

__________________________________________________________

Ela perguntou:
– Será que nós perdemos a nossa inocência?
Nós brigamos tanto
Nós mentimos tanto
Levamos tanto tempo para descobrir
O tamanho do universo
Eu quero saber:
O que vai acontecer depois da adolescência?
Nós sorrimos tanto
Nós corremos tanto
Esperamos tantos anos para encontrar
O sentido do silêncio

Abra a sua mente
Sem pressa Sem mais
Há tanto que eu não sei
As palavras podem esperar

Ela perguntou:
Quando é que vai chegar a idade da experiência?
Nós bebemos tanto
Nós choramos tanto
Nós sonhamos tanto
Que não conseguimos esconder nossa loucura

(NenhumDeNós)
__________________________________________________________

Read More »

___________________________________

Dedos esticados, buscando                                             
Algo que não se pode tocar
Deuses diabos
Buscando algo que possa lhe dar de volta
Sua alma
Alma
Dia após dia
Vagando pelas ruas
Sua procura
Ela sempre ela
Vagando pelas ruas
Sua, sua procura
A alma e o amor
Nada existe que não seja um só
Beijos no escuro
Ela procura sua alma
A alma e o amor
Nada existe que não seja um só
Areias e pedras
Talvez não esteja contida no corpo
Aquilo que busca
Alma, alma, alma

Dia após dia
Vagando pelas ruas
Sua procura
Ela sempre ela
Vagando pelas ruas
Sua, sua procura

(NenhumDeNós)

___________________________________

Eu tenho medo. Não, não é sobre a escuridão. É medo de mim, das emoções , dos sentimentos futuros. Os meus serão pra sempre teus? Quando estou em teus braços eu acredito que esse sentimento nunca acabará, que o nosso para sempre seja mesmo sem fim. Mas quantas vezes mais nós poderemos amar? Isso tem quantia? Sejamos realistas, o ser humano é tão fraco, desiste ás vezes no primeiro obstáculo, pode parecer que já foi muito, mas depois descobriremos, foi tão pouco.

Você duvida? Duvida? Mas o que sentirá? Quando sentirá que tudo foi perdido, que foi mais um acidente cheio de sequelas. Eu acredito na nossa eternidade, mas nunca duvido que nossos caminhos não serão separados. Mas enquanto no meu pensamento há somente duvidas eu  acredito cegamente sim, você vai estar me cobrindo em casa, nossa casa e sorrirei mais uma vez, certa de que as duvidas existiram só porque tu não deve ser deste mundo, bom demais pra mim, bom demais pra eles.

Perdoe-me , se um dia eu,  uma simples terraquia lhe dizer adeus.

http://threesixtwo.blogspot.com/

Esta estrada é reta. Tão reta que eu consigo quase ver o fim. Mas mesmo ela não tendo curvas, nem entradas para outras estradas eu me perdi, e me perdi sozinha. Sozinha por que? Porque ele que um dia me disse: ‘Seria tão bom se existisse apenas nós’ agora construiu uma outra estrada, com um nós que não me pertence mais. Eu poderia sair daqui se eu não estivesse cega, cega de amores por ti. Como pôde? Foi tu.

Hoje eu me peguei analisando mais uma vez aquele meu menino, e chega a ser inacreditável o quanto ele fica lindo de preto, o quanto ele consegue ser lindo de qualquer jeito. Ele tem um sorriso perfeito com um ar de safado que quando se une ao seu olhar diretamente pra mim, controlo meus instintos pra não abraçá-lo ali e não largar nunca mais. O seu cheiro eu já sei de cor, se vier a sentir ao meu redor eu já lembro o seu nome e até hoje eu desconheço um perfume melhor do que aquele que é emanado pelo seu corpo. Ele tem o dom de me fazer sentir muito bem, me fazer sorrir por horas e horas com as conversas mais sem nexo possível. Ele é dono de uma voz forte que se torna leve e manhosa ao pronunciar as iniciais do meu nome e só ele consegue me deixar trêmula no final da noite ao me dar conta da despedida. Eu definitivamente cheguei à conclusão que charme é o seu sobrenome, não tem igual.

(Eu vou ficar esperando você numa tarde cinzenta de inverno bem no meio duma praça, então os meus braços não vão ser suficientes para abraçar você e a minha voz vai querer dizer tanta, mas tanta coisa, que eu vou ficar calada um tempo enorme…só olhando você sem dizer nada só olhando e pensando: meu Deus, mas como você me dói de vez em quando… Caio F Abreu)

Ás vezes me pego pensando em te deixar, sentindo ódio por te amar tanto, por ter feito tudo por ti. Não vou dizer que tu não tem feito nada por mim, tem feito muita coisa, coisas que qualquer garota, até mesmo aquelas mal amadas gostariam, mas eu não acho que seja o suficiente, falta alguma coisa, só um pouco mais de atenção nos detalhes. E fico então tentando resgatar quem eu era antes de ti, eu era -além de todas as depressões- uma pessoa mais equilibrada, menos possessiva, mais responsável, não sinto falta de nada. Agora eu tento adivinhar no que seria de mim sem você, de mim sem aquelas manhãs ensolaradas e teu sorriso, de mim sem teus dedos gelados, de mim sem tua voz, sem os beijos e abraços, de mim sem minha metade, minha alma, já estou sentindo tua falta.

 

Espere por mim. Foi isso que ele me disse naquela noite, depois subiu no seu maldito ônibus e nunca mais voltou. Não o mesmo. Seu rosto empalideceu, as olheiras pareciam poços de sangue acumulados debaixo de seus olhos e seus abraços não eram mais agradáveis, seus beijos sem amor. O trabalho o consumiu, não o culpo disto, nem a mim, mesmo sabendo que foi eu o motivo de tanto cansaço. Minha vontade é de deixá-lo lá, mas eu o amo tanto que quero seus beijos sem amor, seus abraços sem calor. Porque as coisas nunca são totalmente boas? Porque nunca estamos satisfeitos conosco e com os outros? Porque tantos porque em minha cabeça agora, latejando? Queria abrir meus olhos e acordar quando eramos apenas crianças brincando de amar , não digo que mudamos, apenas descobrimos o que o esgotamento nos faz. Não queria ouvir tuas palavras tortas, nem te dar meu amor, soa tão unilateral, teus beijos sem sabor, teus olhos sem o verdadeiro brilho, teus sorrisos apenas para me enganar, teu corpo sem alma, teu coração sem o antigo fogo que ardia em suas veias e aquecia meu corpo, que a tempos não sinto. Nada do que eu faça chega ao teu alcance… E acho que isto é bom. Sigo do teu lado por um simples motivo: o amor cura toda dor! E o meu irá curar a tua.

 Toda vez que eu vou embora, tu fica. Fica com meu coração, minha alma. Toda vez que estou sem ti eu imploro pro tempo passar rápido e quando estou contigo que ele não passe, que se congele. Então em um último beijo o tempo se transforma rapidamente sem que nossos olhos percebam em partículas de gelo, demorando em que se junte de novo. E ali estou eu mais uma vez, inutilmente falando com o tempo.